9º Batalhão de Engenharia de Combate - Hinos e Canções
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Canção do 9º Batalhão de Engenharia de Combate 
Letra: 2º Ten Paulo Souza | Música: 1º Sgt Mus Aélcio Teixeira
Batalhão Carlos Camisão
Vitorioso em solo Europeu
Guarda brilhantes histórias,
Que a “cobra fumando” escreveu.

 

Batalhão Carlos Camisão
Vitorioso em solo Europeu
Guarda brilhantes histórias,
Que a “cobra fumando” escreveu.
Bravos Sapadores Mineiros
Nunca Temeram o perigo
Imortais Febianos Engenheiros
Minaram o coração do inimigo.

 

No pico de Monte Castelo
Hasteamos com euforia;
O pavilhão verde-amarelo,
Em defesa da nossa soberania.

 

A ENGENHARIA!
 

 

 

 

Canção da Engenharia
Letra: Aurélio de Lyra Tavares | Música: Hildo Rangel

Quer na paz, quer na guerra, a Engenharia
Fulgura, sobranceira, em nossa história
Arma sempre presente, apóia e guia
As outras Armas todas à vitória.


Nobre e indômita, heróica e secular
Audaz, na guerra, ao enfrentar a morte,
Na paz, luta e trabalha, sem cessar,
Pioneira brava de um Brasil mais forte.

O castelo lendário, da Arma azul-turquesa
Que a tropa ostenta, a desfilar, com galhardia
É um escudo de luta, é o brasão da grandeza
E da glória sem fim, com que forja a defesa
E é esteio, do Brasil, a Engenharia.

Face aos rios ou minas, que o inimigo
Mantém, sob seu fogo, abre o engenheiro
A frente para o ataque e, ante o perigo,
Muitas vezes, dos bravos é o primeiro.

Lança pontes e estradas, nunca falha,
E em lutas as suas glórias ressuscita,
Honrando, em todo o campo de batalha,
As tradições de Villagran Cabrita.

O castelo lendário, da Arma azul-turquesa
Que a tropa ostenta, a desfilar, com galhardia
É um escudo de luta, é o brasão da grandeza
E da glória sem fim, com que forja a defesa
E é esteio, do Brasil, a Engenharia.

 

Canção do Exército  
Letra: Alberto Augusto Martins | Música: T. Magalhães

Nós somos da Pátria a guarda
Fiéis soldados
Por ela amados,
Nas cores de nossa farda,
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

Em nosso valor se encerra
Toda a esperança
Que um povo alcança
Quando altiva for a terra.
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória

A paz queremos com fervor,
A guerra só nos causa dor.
Porém, se a Pátria amada
For um dia ultrajada,
Lutaremos sem temor.

Como é sublime
Saber amar,
Com a alma adorar
Aterra onde se nasce!
Amor febril
Pelo Brasil
No coração
Nosso que passe.



E quando a Nação querida
Frente ao inimigo,
Correr perigo,
Se dermos por ela a vida
Rebrilha a glória,
Fulge a vitória.

E assim ao Brasil faremos
Oferta igual de amor filial
E a ti Pátria salvaremos
Rebrilha gloria
Fulge a vitória.


A paz queremos com fervor,
A guerra só nos causa dor.
Porém, se a Pátria amada
For um dia ultrajada,
Lutaremos sem temor.

 

Hino à Bandeira 
 Letra: Olavo Bilac | Música: Francisco Braga

Salve, lindo pendão da esperança
Salve, símbolo augusto da paz!
Sua nobre presença lembrança
A grandeza da Pátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito varonil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil

Este teu seio formoso retratas
Este ceú de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas
Eo esplendor do Cruzeiro do Sul...

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito varonil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil

Contemplado o teu vulto sagrado,
Compreendendo o nosso dever
E o Brasil , por seus filhos, amado
Poderoso e feliz há de ser

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito varonil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil

Sobre a imensa nação brasileira
Nos momentos de festa ou de dor,
Para sempre, sagrada bandeira,
Pavilhão da justiça e do amor!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito varonil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil

 

Canção Fibra de Heróis  
 Letra: Teófilo de Barros Filho | Música: Guerra Peixe
Se a Pátria querida for envolvida
Pelo inimigo, na paz ou na guerra
Defende a terra
Contra o PERIGO.

Com ânimo forte se for preciso
Enfrento a morte
Afronta, SE LAVA com fibra de herói
De gente brava.
Bandeira do Brasil
Ninguém te manchará
Teu povo varonil
Isso não consentirá.

Bandeira idolatrada
Altiva a tremular
Onde a liberdade
É mais uma estrela
A brilhar. 

 

Hino Nacional 
Letra : Osório Duque de Estrada | Músico :Francisco Manoel da Silva
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante
E o sol da Liberdade em raios fulgidos
Brilhou no ceú da Pátria nesse instante,

Se o penhor dessa iguadade 
Conseguimos conquistar com braço forte 
Em teu seio ó liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó Pátria amada.
Idolatrada,
Salve, Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança a terra desce,
Se em teu formoso céu risonho e límpido
A imagem do Cruzeiro resplandece

Gigante pela própria natreza,
És belo, és forte, Impávido colosso
E o teu futuro espera essa grandeza

Terra adorada
Entre outras mil
És tu Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos Filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada Brasil.
Deitado eternamente em berço esplêndido
Ao som do mar e a luz do ceú profundo
Fulguras, ó Brasil, florão da América
Iluminando ao sol do Novo Mundo!

Do que a terra mais garrida
Seus risonhos lindos campos tem mais flores
Nosso bosque têm mais vida
Nossa vida no teu seio mais amores,

Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostenta estrelado
E diga o verde-louro desta flâmula
Paz no futuro e glória no passado

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge a luta
Nem temes, quem te adora a prórpia morte.

Terra adorada
Entre outras mil
És tu Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos Filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada Brasil.
Fim do conteúdo da página